Caos, desordem e tratoragem

Andamento da sessão é comprometido por manobra regimental, gerando dúvidas quanto à confiabilidade do presidente
Muitos gritos, falas de obstrução e falta de decoro marcaram a primeira sessão plenária de quinta-feira (20). Diversos deputados abusaram das prerrogativas regimentais, principalmente alguns líderes partidários, o que atrasou a lista de oradores e ofuscou a pluralidade de discursos. No final da reunião, depois de aprovar um projeto por votação simbólica, o presidente da casa, Juan Carlos (PSDB), silenciou e ignorou os deputados da casa.
Logo no início, a insatisfação dos parlamentares com a leitura do presidente tomou conta dos primeiros pedidos pela ordem. De acordo com os deputados, a leitura estava sendo feita de maneira muito rápida, tornando o conteúdo lido incompreensível. Os grandes números de questões de ordem, que alongaram a sessão, foram feitos, em sua maioria, por deputados do bloco Chá das 5. A situação gerada foi de estranhamento, uma vez que Juan, apoiado pelo Chá das 5, estava sendo prejudicado por membros do próprio bloco.
“Estou decepcionado com a morosidade do Plenário”, disse Henrique Mecabô (PR). A comunicação pela liderança foi amplamente explorada de maneira maléfica às discussões pelos líderes partidários, a falta de responsabilidade ficou evidente nesses abusos. A situação gerou atrasos e ocasionou em falta de decoro e desrespeito. “Ridiculamente bagunçado”, declarou a deputada Natália Martins (PT) que, com o andar debilitado, tentou inscrever seu nome na lista de oradores mas não discursou.
Ao final da sessão, a votação do projeto de lei número 84, de autoria de Heron José (DEM), se deu de maneira rápida. Poucos segundos após convocar votação simbólica, mesmo sem certeza numérica, Juan Carlos aprovou o projeto e silenciou os microfones. O presidente não acatou nenhum pedido de verificação nominal e acelerou os processos para encerramento da sessão. A censura enfureceu os parlamentares, já que muitos alegaram descumprimento do regimento interno.
[EDIT]
DIREITO DE RESPOSTA de Juan Carlos
O repórter diz em seu texto que a primeira sessão deliberativa ocorrida no Plenário foi marcada por bagunça e desordem e que eu havia passado por cima dos parlamentares, inclusive do próprio direito de fala. Pois, ora, o que se ouviu dentre os participantes do Politeia e dentre a própria organização era que a pauta da reunião foi monótona, com debates lentos e técnicos. A questão da fala, ao contrário, foi um acordo com os líderes e a organização, para que houvesse celeridade nos projetos, para que tudo pudesse ser votado.
É importante salientar o significado de Tratoragem: “Atitude ou procedimento de pessoa desprezível, indigna; BANDALHEIRA”. É difamação, principalmente quando os microfones foram cortados a mando da organização, dado o tempo limite do plenário, permitido pela CD ter sido estourado.

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.