Categoria: Politeia 2019

Politeia 2019

Larissa Alberto é eleita presidente da CSSF após reviravolta…

A primeira reunião da Comissão de Seguridade Social e Família (CSSF),  do último sábado (20), foi marcada pela votação para os cargos de presidente, 1° vice-presidente e 2° vice-presidente. 

A indicação do bloco progressista contava com a deputada Larissa Alberto (PT) para presidente, o deputado Breno Daniel (PSB) para 1° vice presidente e a deputada Lara Malta (PP) para 2° vice-presidente. No entanto, antes do início da votação, ocorreu uma mudança  nas candidaturas. O deputado Daniel renunciou à candidatura à presidência no dia anterior à sessão de eleição da mesa da CSSF. No momento do anúncio das candidaturas avulsas, o mesmo deputado se candidatou a 2° vice-presidente. Situação semelhante a da deputada Malta, que renunciou a sua candidatura de 2° vice-presidente para concorrer como 1° vice. Desta forma, os dois saíram da indicação do bloco e passaram para a candidatura avulsa. Por fim, a deputada Juliana Fonseca (DEM/PE) declarou candidatura avulsa à 2° vice. 

Após a definição das candidaturas, a votação elegeu para os cargos de presidente, 1° e 2° vice-presidentes, respectivamente, a deputada Larissa Alberto (PT), a deputada Lara Malta (PP) e o deputado Breno Daniel (PSB). 

Seguridade Social e Família

Dentre outros temas, a CSSF trata de modo geral da saúde, da assistência social, da assistência médica, dos direitos da mulher, da criança, do adolescente, dos idosos e de portadores de deficiência.

A próxima reunião da comissão está agendada para o dia 22 de julho, às 9 horas, no Anexo II da Câmara dos Deputados.

Politeia 2019

Deputada Ana Cristina é eleita presidente da CCTCI

 

 

 

A deputada Ana Cristina (PP/RJ) foi eleita Presidente da Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática (CCTCI). Com apenas um voto contrário, a decisão foi quase unânime entre os membros presentes na reunião. 

“Desenvolvimento” e “representatividade” foram as palavras-chaves do discurso inicial de Ana Cristina. Segundo ela, o objetivo é articular e avançar com projetos que valorizem a área de ciência e tecnologia e possibilitemo desenvolvimento do país. Além disso, trazer mais representatividade para as mulheres dentro da ciência. “É um área que ainda tem poucas mulheres no nosso país.”, finalizou a deputada. 

O deputado Luís Ribeiro (PSDB/MA) foi eleito 1° vice-presidente, e a deputada Amanda Xavier (PDT/GO),  2° vice-presidente. 

Em seu discurso, Ribeiro destacou a importância da ciência e da tecnologia para a economia do país. Já a 2° vice, Xavier, falou que a tecnologia, a ciência e a informação são o futuro, e que a forma de buscar a sua evolução seria dada pelas decisões da CCTCI. 

Ciência e tecnologia

A CCTCI discute projetos relacionados a desenvolvimento científico e tecnológico, meios de comunicação social, liberdade de imprensa, produção e a programação das emissoras de rádio e televisão, assuntos relativos a comunicações política nacional de informática, automação e de telecomunicações e regime jurídico das telecomunicações e informática.

A próxima reunião da comissão está agendada para o dia 22 de julho, às 9 horas, no Anexo II da Câmara dos Deputados. 

Politeia 2019

João Victor Tocantins é eleito presidente da Câmara dos…

Forte articulação com partidos que seguem diferentes linhas ideológicas garantiu ao deputado federal João Victor Tocantins (PR/TO) a presidência da Câmara dos Deputados. A eleição ocorreu na tarde deste sábado (20), em uma sessão no anfiteatro 12 do Instituto Central de Ciências na Universidade de Brasília (UnB), por volta das 14h30min. O parlamentar obteve o apoio da maioria dos deputados presentes na Casa e foi eleito em primeiro turno, vencendo a candidata Rhayra Santana (PSL/PE).

Após a vitória, Tocantins afirmou que cumprirá suas atividades como presidente da Câmara com responsabilidade. “Um dos papéis do presidente é ser um facilitador para as matérias e para os parlamentares. Isto é, com o intuito de estimular o aprendizado de todos, contribuirei ao máximo para deixar o debate respeitoso e coeso. Assim, darei continuidade ao projeto da melhor forma possível”, declarou. 

O deputado federal Victor Frank (MA), líder do Partido Republicano (PR), diz que a vitória de Tocantins foi acertada. “Ele tem um enorme respeito e conhecimento da liturgia de uma posição tão importante como a de presidente da Casa. Tenho certeza que ele ouvirá mais do que falará. E quando falar, será certeiro, regimental e estrito, bem como respeitoso com quem quer que seja”, afirmou. 

Em contrapartida, a deputada federal Amanda Fortaleza (CE), atual líder do Partido Social Liberal (PSL), lamenta a derrota de Rhayra Santana. “Ela tem interesse genuíno de ensinar e estimular a participação de todos os parlamentares, mesmo àqueles sem cargos de liderança. Além disso, ela é completamente apaixonada pelo projeto, então é verdadeiramente triste que não tenha sido eleita. De qualquer forma, o Tocantins é bastante competente e torço para que ele seja um ótimo presidente da Casa”, complementou.

RESULTADO DA ELEIÇÃO

Candidatos à presidência da Câmara dos Deputados Quantidade de votos
João Victor Tocantins (PR/TO) 70
Rhayra Santana (PSL/PE) 43
Votos em branco 2

Apontado como favorito desde o início da simulação, Tocantins recebeu apoio de 8 dos 11 partidos da Casa: o Partido dos Trabalhadores (PT), Partido da República (PR), Progressistas (PP), Partido Socialista Brasileiro (PSB), Partido Democrático Trabalhista (PDT), Partido Social Democrático (PSD), Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) e Democratas (DEM). Enquanto isso, o Partido Social Liberal (PSL), Partido Republicano Brasileiro (PRB) e Movimento Democrático Brasileiro (MDB) apoiaram a candidatura da deputada Rhayra Santana. 

Após ser derrotada, Santana declarou que a integração dos parlamentares de primeira viagem deve ser prioridade no Politeia. “Perder faz parte do jogo democrático e tenho certeza que o Tocantins vai desempenhar um bom trabalho. No entanto, aproveito o momento para pedir encarecidamente para o novo presidente analisar os casos com cuidado, tendo em vista que é a primeira experiência de muitos simulantes. Além disso, reitero a importância de ouvirmos as demandas de todos”, disse. 

COMPOSIÇÃO DA MESA DIRETORA

Além da presidência da Câmara dos Deputados, também foram definidos os demais cargos da Mesa Diretora. São eles: 

1º vice-presidente Nathália Uchôa (PSB)
2º vice-presidente Adrielle Galdino (PSL)
1º secretário Sarah Ribeiro (PRB)
2º secretário João Estevão (MDB)
3º secretário Natalie Catarina (PR)
4º secretário Matheus Rocha (PRB)
Secretária da mulher Gabrielly Lopes (PSB)
1ª secretária adjunta Lara Cunha (PSL)
2ª secretária adjunta Richelle Costa (PT)
3ª secretária adjunta Michelle Queiroz (MDB)

Politeia 2019

O primeiro candidato

Legenda: Na legislatura de 2018, o deputado João Victor Tocantins discursa ao Plenário

Na primeira coletiva de imprensa do Politeia, realizada no domingo, dia 9, apenas o nome de João Victor Tocantins foi sugerido para a presidência da Casa. Apesar de não estar presente, seu nome foi citado pelo líder do PP, Gabriel Moreira, e mais algumas vezes, durante a tarde, por outros líderes do Bloco Progressista, como Victor Frank, do PR. Poucos da plateia deixaram de aplaudir Tocantins, único candidato confirmado até aquele momento. O jornal conversou com o deputado sobre sua candidatura e outras questões levantadas na coletiva, com perguntas diretas pré-estabelecidas.

Na coletiva, o parlamentar Matheus Oliveira, líder do DEM, informou que seu partido foi convidado a integrar o Bloco Progressista, mas, por “falta de propostas concretas”, recusou. Citando essa resposta, perguntamos se Tocantins concordava que a sua candidatura era a responsável pela união do Bloco Progressista. Discordando, o deputado deixou claro que as propostas do Bloco visam o progresso, ideia decorrente de uma construção conjunta, a qual demanda longo tempo de maturação, ultrapassando até mesmo um ano. “Em qualquer ambiente democrático se tem ideias divergentes, e isso é normal”, respondeu o candidato, com pausas bem marcadas. “O grande problema é quando não se entende de fato quais são as propostas. As propostas do Bloco Progressista são claras: o Progresso. Deixar o conservadorismo exacerbado.” Respondendo à pergunta, disse não concordar com a ideia de que é a sua candidatura que une o bloco. 

Na entrevista com Tocantins, a questão da candidatura de mulheres também foi abordada. Questionamos se o candidato concordava com a ideia de que estava na hora de uma mulher ser a presidente da Casa. No mesmo ato, citamos o discurso do líder do PT, Matheus Freitas, que ressaltou  ser o único líder negro e, ainda, reportamos os boatos de que uma mulher poderia concorrer pela bancada feminina. A resposta veio em tom pacificador. “Eu festejo e congratulo qualquer tipo de adversário. Não é da práxis progressista desconstruir uma adversária ou um adversário, até porque estamos mais preocupados em fazer um bom trabalho em vez de ficar minando campanha dos outros. O objetivo é construir um espaço democrático.” Como o papel das minorias foi citado, ele respondeu que, “no que se refere à representatividade, há de se lembrar que a presidência seria capitaneada por um membro LGBT e por uma membra mulher (referindo-se à candidata à Vice-Presidência, Natália Uchôa), então a representatividade está altíssima no Bloco Progressista.”

Ao ser perguntado sobre críticas anônimas que afirmam que ele seria  “um trator” e “rígido demais”, o tom da resposta, firme e objetivo, manteve-se o mesmo — mas o escudo foi levantado. “Muito me admira que, quando um candidato LGBT se candidata à presidência da Casa, esse tipo de críticas surjam. Não tive críticas quanto à competência e ao diálogo.” Terminou a resposta desapontado com os críticos. “Definitivamente, ‘trator’ e ‘rígido demais’ são argumentos muito fracos no nível do debate progressista.” Parlamentar de quarta (e última) viagem, foi questionado sobre a candidatura ser “uma tentativa de fechar com chave de ouro” e sobre a restrição para a participação até quatro legislaturas. A resposta foi direta: “Só seria fechar com chave de ouro caso o projeto morresse por aqui. As pessoas vão, as palavras ficam.” Com a mesma seriedade, afirmou que não vê como fechar com chave de ouro, mas “encerrar uma etapa, já dando uma abertura para novas perspectivas e ideias.”

Matheus Oliveira, líder do DEM, comentou a falha de alinhamento entre partidos. “Acredito que haja uma falha de comunicação dos partidos com o DEM. Falta sentar com o DEM e falar ‘queremos discutir propostas.’” Após a coletiva, o bloco PSDB-DEM conversou com a imprensa sobre a candidatura proposta pelo Bloco Progressista. Para o líder do PSDB, o deputado Lucas Soriano, “o fato de não fazermos parte do Bloco Progressista nesse momento, publicamente, não significa que somos oposição ao João Victor Tocantins.” Disse, ainda, que “o PSDB – DEM não está se preocupando em seguir linha de bloco. Estamos articulando em nosso favor e em favor dos interesses dos nossos partidos.” Por fim, relatou: “O PSDB não pretende lançar um candidato do próprio partido à presidência da Casa. […] Pretendemos seguir a orientação de algum dos blocos que seja mais atraente à coligação PSDB – DEM.”

 

Até o momento do envio desta matéria, nenhum outro candidato foi anunciado por nenhum bloco ou partido.

Politeia 2019

Líder do Partido Progressista (PP) acusa “Blocão” de demagogia

Legenda: A Coletiva de Imprensa.

Na coletiva de imprensa, realizada no domingo, dia 9 de junho, o líder do Partido Progressista (PP), deputado Gabriel Moreira, afirmou que os partidos do “Blocão”, PSDB e DEM, estão sendo demagógicos ao defenderem indicações de parlamentares de primeira viagem para os cargos de liderança de partido e presidência da Casa.

Para o deputado, esses partidos “ficariam apenas no discurso”, visto que, no momento da indicação, não escolheram novatos para os cargos em questão. Dângelo Saraiva, do PDT, e José Maurício, do MDB, ambos do “Bloco Progressista”, são deputados de primeira viagem e foram eleitos para liderança de seus partidos.

Politeia 2019

A primeira coletiva de imprensa

Legenda: Coletiva de Imprensa.

O primeiro momento da coletiva foi destinado aos líderes dos partidos para que pudessem explanar o que era esperado por eles na atual legislatura, além de expor suas prioridades no mandato. Os partidos do chamado “Blocão”, ainda não estabelecido completamente até a data da coletiva, tinham forte discurso em apoio aos parlamentares de primeiro mandato.  Isso causou um choque de interesses com o “Bloco Progressista”, que também reivindicava esta mesma ideia. O desentendimento entre os blocos levou o líder do PP, Gabriel Moreira, a acusar o Blocão de demagogia.

Com exceção do PSDB, todos os partidos apresentaram pautas prioritárias semelhantes umas às outras, como educação, saúde e segurança pública. O líder do PSDB, Lucas Soriano, informou, na coletiva, que o partido não fará recorte de pautas “mais ou menos importantes” e que buscará uma atuação ampla.

A coletiva foi um momento para conhecer os líderes de partido recém-eleitos e ouvir as ideias e projetos que pretendem levar adiante. O evento também foi oportuno para enfatizar o cenário democrático, no qual todos os líderes encontram-se abertos a debates plurais e embates ideológicos.