CCJC aprova Marielle Franco e Darcy Ribeiro para livro dos heróis da pátria

O dep. Gabriel Moreira (PSD) presidiu a reunião da CCJC na tarde desta segunda-feira (16)
O dep. Gabriel Moreira (PSD) presidiu a reunião da CCJC na tarde desta segunda-feira (16) Foto por Fernanda Arai
O dep. Gabriel Moreira (PSD) presidiu a reunião da CCJC na tarde desta segunda-feira (16). Foto: Fernanda Arai.

Na reunião da tarde desta segunda-feira (16), a Comissão de Constituição de Justiça e Cidadania (CCJC) aprovou a inclusão da vereadora Marielle Franco (Psol-RJ), assassinada em março deste ano, e de Darcy Ribeiro, pedagogo e ex-professor e reitor da Universidade de Brasília (UnB), no Livro Oficial de Heróis da Pátria. Ambos os projetos ressaltavam a importância dos personagens para o povo brasileiro.

O projeto sobre Marielle era de autoria do dep. Rubens Cantanhede (PP). O principal argumento contrário à aprovação do PL foi que o acontecimento do assassinato da vereadora não aconteceu há dez anos atrás, logo, seu nome não poderia ser adicionado ao livro de imediato. Além disso, o dep. Mateus Menck (PSB) levantou o argumento de que trazer à pauta esta questão poderia ser uma tentativa de se “engrandecer desta matéria em meio ao período eleitoral.”

Foi convidado a proferir algumas palavras sobre o parecer favorável do relator Victor Frank (MDB), o deputado Fernando Nicolas (Psol-RJ), como amigo e pessoa próxima a Marielle. Nicolas comentou que a vereadora representava uma minora cuja representatividade fora “tirada arbitrariamente”. “É um tema importante porque falamos de alguém que representava uma minoria”, disse.

Já a proposta de incluir o nome de Darcy Ribeiro no Livro Oficial de Heróis da Pátria foi desarquivado. O autor é o deputado Luiz Felipe Brito (PT). A relatora Kátia Amorim (MDB) apresentou um parecer favorável à questão, apesar de protestos de alguns colegas de bancada. O deputado Gabriel Moreira (PSD) apontou que achava um desprestígio para com os nomes já listados no livro a adição de Darcy Ribeiro, além de que ser “no mínimo leviano achar que o projeto [de Darcey para o modelo educacional] indicado à UnB seja acessível para as outras academias brasileiras”.

O presidente da Câmara dos Deputados, Caio Leal (PDT), por outro lado, discursou a favor do parecer, apontando que “o que estamos fazendo aqui hoje é o legado de Darcy Ribeiro: Pesquisa, Ensino e Extensão. Em diversos outros Estados temos os legado de Darcy. Seria um descaso não permitir que este projeto passe. Ele levou a educação para além da sala de aula”. Ao final, o projeto foi aprovado, sob protestos de alguns deputados.

Compartilhe: