“O legislativo é lugar de mulher”

No final da tarde desta segunda-feira (22) foi realizada a primeira coletiva de imprensa com os líderes dos partidos e o presidente da casa. A coletiva teve início as 17h15 e contou com a presença dos 11 líderes partidários, assim como o presidente João Victor Tocantins (PR/TO). Dentre os temas debatidos, estava a aprovação do Projeto de Lei nº 9 de 2019 o qual prevê cota de 50% para homens e mulheres na composição do quadro de parlamentares. O projeto teve o parecer aprovado na manhã desta segunda-feira (22) na Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) e seguiu para a Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC).

O tema foi abordado pelo repórter Gabriel Buss, onde este levantou o questionamento ao presidente da casa João Victor Tocantins (PR/TO), assim como à líder Amanda Fortaleza (PSL) e Henrique Magalhães (PSB). A primeira a se pronunciar sobre a questão, foi a Dep. Amanda Fortaleza. A parlamentar informou não poder responder pelo partido todo, tendo em vista que o partido, desde sua formação, segue o princípio de bancada aberta. Portanto, respondendo enquanto deputada, esta declarou ser de extrema importância que homens e mulheres sejam representados igualmente, em reflexo à população brasileira. Atualmente, a população brasileira é composta por 50% de mulheres, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). “Neste sentido, acredito que as mulheres ainda tem que conquistar muito espaço e são necessárias medidas afirmativas, sejam essas pelo legislativo ou executivo, que proponham espaço para as mulheres”, declarou a deputada.

Após a alegação da deputada, o parlamentar Henrique Magalhães reconheceu a importância do projeto de lei e afirmou não ter legitimidade para tratar do assunto “por não ser seu lugar de fala”. O deputado João Victor Tocantins afirmou que a autora Larissa Alberto foi extremamente feliz na elaboração do projeto de lei e declarou seu apoio. “Como foi perguntado a opinião pessoal, eu, como deputado Tocantins, sou favorável ao projeto”. Além de ser aderente, o presidente da casa estendeu seu espaço para a participação da líder e deputada Marcella Pellegrini (PSD/GO).

A parlamentar Marcella Pellegrini, declarou seu descontentamento com número de cargos ocupados por mulheres na Câmara. “Infelizmente, é uma tristeza para a gente, olhar para essa mesa e ainda sermos um número bem menor”. Atualmente, o número de líderes mulheres de partidos na Câmara são apenas três dos onze existentes. Entre os vice-líderes, o número também deixa a desejar, com apenas 6 mulheres ocupando os cargos. A deputada aborda ainda, o número de mulheres presidindo comissões. “Na maior parte das comissões [da Câmara Federal], existem uma ou duas presidentes e o restante todos são homens”. Ao todo são 13 mulheres exercendo a função de presidência de comissões. 

Posteriormente, a dep. Marcella Pelegrini afirmou seu apoio ao projeto de lei, reafirmando seu descontentamento com a situação e salientando a necessidade de se haver uma renovação de representatividade na Câmara dos Deputados e no Congresso Nacional. “Na minha opinião, é uma questão que me entristece muito porque mulheres gostam sim de política. Mulheres gostam sim de debater política. A mesa, o Congresso e as posições de poder, são lugares de mulher. O legislativo é lugar de mulher. Sou favorável ao projeto, a esse tema, e agradeço a oportunidade ao presidente da casa”.

Compartilhe: