Parlamentares votam pela representação de seus partidos

A votação para a escolha da liderança de cada partido gerou polêmica e criou situações de incerteza entre os parlamentares.

Ocorreu, no dia 11 de junho, na Universidade de Brasília, a eleição de líderes e vice-líderes de partidos da Câmara dos Deputados. Os deputados de cada partido (PT, PSDB, PSD, PMDB, PP, DEM, PRB, PSB, PDT e PR) se reuniram separadamente e elegeram seus representantes.
A votação do Partido Social Democrata (PSD) gerou polêmicas. Os deputados Diego e Kiko se candidataram para líder do partido, mas Kiko não concordava que deputados ausentes participassem da votação. A maioria presente concordou que todos deveriam participar. Diego lançou sua candidatura via ligação telefônica: “pretendo representar o partido da melhor forma possível”. Kiko votou em si e todos os outros votaram a favor de Diego Ferreira como líder.
No Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), a escolha dos representantes já estava articulada e o Deputado Ismael Júnior foi eleito, pela segunda vez, líder do partido e indicou, como vice-líder, Júlia Bittencourt. Ninguém se posicionou contra. Na reunião, Juan Carlos falou de sua candidatura para Presidente da Casa: “Nunca fiz questão da presidência, mas, dessa vez, ela caiu em minhas mãos”.
O Democratas (DEM) e o Partido da República (PR) elegeram seus líderes por unanimidade. Pelo DEM, foi escolhido como líder o deputado Bruno Melo. Na votação do PR, a postura dos parlamentares do partido demonstrou coesão ao defender pautas conservadoras, resultando na eleição de Juliana Marques como líder.
João Pedro Dutra foi eleito líder do Partido Progressista (PP) por 9 votos a favor e 7 contras. Até instantes antes da votação, não havia certeza da escolha do partido. Em contrapartida a Dutra, Caio Leal lançava sua candidatura com ênfase em questões públicas e progressistas. O novo líder do PP tentou acalmar os ânimos dos deputados, frisando a intenção de incluir de pautas de esquerda nas discussões. Por fim, o Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) também teve uma votação acirrada, na qual Caio Victor Paixão saiu vitorioso contra Becker, graças a votos “virtuais”.

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.